Got My Cursor @ 123Cursors.com
MEU ANIMAL AMIGO: OS ANIMAIS SÃO NOSSOS IRMÃOS

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

OS ANIMAIS SÃO NOSSOS IRMÃOS

160-Todas as almas têm a mesma origem, e são destinadas ao mesmo fim; A todos o Supremo Senhor proporciona os mesmos meios de progresso, a mesma luz, o mesmo Amor. (A Gênese - Cap. VI - Perg. 19)
Comentários: Repare que o enunciado diz que todas as almas têm a mesma origem e não especificou que tipo de almas. Não há especificação de que somente as almas de seres humanas têm a mesma origem, portanto se refere às almas de todos os seres orgânicos. Lendo a Gênese, verifica-se que todos os seres orgânicos têm alma.
Assim, se pode concluir que todos os seres orgânicos são nossos irmãos, pois têm a mesma origem e são criados pelo mesmo Pai.

161. O Princípio Inteligente, distinto do Princípio Material, se individualiza, se elabora em passando pelos diversos graus da animalidade; é aí que a alma ensaia para a vida e desenvolve suas primeiras faculdades pelo exercício; seria o tempo de incubação. (A Gênese - Cap. XI - Perg. 23)
Comentários: O Princípio Inteligente, desde que é criado e começa a participar dos processos da evolução neste ou em outros mundos físicos, já é um indivíduo. No entanto, antes de passar por uma certa fase ele se confunde com outros de sua espécie, pois que apresentam as mesmas aparências e se comportam do mesmo modo. Tendo comportamentos idênticos entre si até esta fase, não se pode distinguir um indivíduo de outro exceto por observações cuidadosas.
Desde que alcance aquela fase em que o indivíduo começa a se comportar de modo único, ele se torna distinto de outros que ainda continuam a se comportar de modo absolutamente instintivo.
Esta fase coincide com a fase de animalidade superior, que é uma das fases obrigatórias de nossa evolução, antes de chegarmos à fase humana.

162. A formação dos primeiros seres vivos se pode deduzir, por analogia, da mesma lei em virtude da qual se formaram e formam todos os dias os corpos inorgânicos. À medida que se aprofunda o estudo das leis da Natureza, as engrenagens que, de início, pareciam tão complicadas se vão simplificando e confundindo na grande lei de unidade que preside a toda a obra da criação. Isso se compreenderá melhor, quando estiver compreendida a formação dos corpos inorgânicos, que é o degrau primário daquela outra. (A Gênese - Cap. X - Perg. 3)
Comentários: Em outras palavras, podemos entender que os primeiros seres vivos se formaram a partir do mesmo principio que formou os primeiros seres inorgânicos, ou seja, os minerais. Como sabemos, há diversos átomos nos seres orgânicos, que são encontrados nos inorgânicos, porque temos a mesma origem.
À medida que o nosso entendimento sobre as coisas da natureza e da espiritualidade aumenta e nos reconhecemos apenas como peças que envolvem os mecanismos da natureza, percebemos que tudo evolui e tende à Unidade, ou tende a se aproximar da perfeição. Por isso se torna simples o entendimento de que os seres orgânicos fazem parte do início desta evolução.

163. A formação dos primeiros seres vivos pode-se deduzir, foi, por analogia, pela mesma lei, segundo a qual se formaram e se formam todos os dias corpos inorgânicos. (A Gênese - Cap. X - Perg. 3)
Comentários: A criação dos primeiros seres vivos aconteceu do mesmo modo como ainda hoje acontecem as novas criações de novos seres vivos, pois Deus não pára nunca de criar.

164. Sendo filhos do mesmo Pai são objetos de uma igual solicitude, que não há nenhum mais favorecido, ou melhor, dotado que outros... (A Gênese - Cap. X - Perg. 3)
Comentários: Sendo todos os seres criações divinas, todos são sujeitos à mesma atenção e todos têm a mesma importância, não importando se se trata de um minúsculo e ínfimo grão de areia ou o mais elevado ser espiritual que se possa imaginar. Todas as criações divinas são importantes porque todos são partes integrantes do Universo e de um equilíbrio único.

165. O Espírito não recebe a iluminação divina que lhe dá à consciência à noção de seus altos destinos, sem ter passado pela série divinamente fatal, dos seres inferiores, entre os quais se elabora, lentamente, a obra de sua individualidade; é somente a partir do dia em que o senhor imprime sobre sua fronte o seu augusto tipo que o Espírito toma lugar entre as humanidades. (A Gênese - Cap. VI - Perg. 19)
Comentários: O Espírito não se torna um Espírito de elevada categoria moral sem antes passar por fases primitivas de evolução, como por exemplo, a fase de animalidade. Somente depois de passar pela fase animal é que o Espírito recebe o "aval" de Deus, para ocupar as altas esferas espirituais. Portanto, a fase em que se encontram os animais, isto é, os espíritos, que estagiam na fase animal, algum dia se tornarão espíritos aptos a estagiar na fase humana.

166. O elemento espiritual individualizado constitui seres chamados de Espíritos. (A Gênese - Princípio Espiritual- Perg. 6)
Comentários: Algumas pessoas dizem que somente os seres humanos são dotados de Espíritos e que os outros seres vivos não possuem alma ou espíritos. Este enunciado faz cair por terra esta tese preconceituosa, pois segundo também lemos no livro da Gênese, todos os seres orgânicos têm alma (ou espírito).

167. Tudo concorre para provar que houve criação simultânea e múltipla. (A Gênese - Formação Primária dos seres - Perg. 2)
Comentários: A ciência atual atribui ao acaso o surgimento de novas espécies, mas ao que se sabe, as novas raças e espécies surgem simultaneamente e com as mesmas características. Quais seriam as possibilidades de surgirem seres idênticos de diferentes mães, isso considerando o surgimento de espécies de animais superiores, em lugares distintos ao mesmo tempo e ao acaso? Nenhuma, pois o acaso se refere a fatos fortuitos e não inteligentes e integrados a uma seqüência inteligente. A promoção de eventos inteligentes que determine o aparecimento de uma nova espécie está a sob a responsabilidade dos trabalhadores espirituais encarregados disso.

168. O corpo é, pois, simultaneamente, o envoltório e o instrumento do Espírito e, à medida que este adquire novas aptidões, reveste outro invólucro apropriado ao novo gênero de trabalho que lhe cabe executar, tal qual se faz com o operário, a quem é dado instrumento menos grosseiro, à proporção que ele se vai mostrando apto a executar obra mais bem cuidada. (A Gênese União do Princípio à Matéria - Perg. 10)
Comentários: A relação que há entre a evolução das espécies e a evolução do Espírito está no fato de que, a cada passo evolutivo do espírito, deve haver um corpo correspondente a este crescimento evolutivo que permita a este espírito expor todo o seu potencial intelectual e, talvez, moral.

169. Desde que um Espírito nasce para a vida espiritual, tem, por adiantar-se, que fazer uso de suas faculdades, rudimentares a princípio. Por isso é que reveste um envoltório adequado ao seu estado de infância intelectual, envoltório que ele abandona para tomar outro, à proporção que se lhe aumentam as forças. Ora como em todos os tempos houve mundos e esses mundos deram nascimento a corpos organizados próprios a receber Espíritos, em todos os tempos os Espíritos, qualquer que fosse o grau de adiantamento. (A Gênese União do Princípio à Matéria - Perg. 12)
Comentários: Desde que um princípio inteligente é criado e lançado à evolução no mundo físico, este precisa, para adiantar-se, usar seu potencial intelectual, ainda que primário, no início de sua evolução. Para que possa se manifestar no mundo físico, o princípio inteligente, ou espírito, utiliza corpos físicos, característicos de cada fase evolutiva.
A medida que este aprende e cresce intelectual e espiritualmente, a cada reencarnação (as reencarnações existem nas fases primitivas dos reinos orgânicos também), este espírito recebe um corpo adequado à fase evolutiva em que se encontra, mas cada vez que este envoltório envelhece ou perde a vitalidade, ele o abandona para retornar ao mundo espiritual e se prepara para receber outro corpo físico para que possa continuar a aprender com as experiências no mundo físico.
Como Deus cria de toda eternidade, há corpos próprios a receber os espíritos em qualquer época que seja e em qualquer fase evolutiva que seja. Isso demonstra que, na verdade, os corpos, ou as espécies, não evoluem, mas vão sendo introduzidas pelos trabalhadores espirituais nos mundos onde se façam necessários aos espíritos de que deles necessitem para evoluírem.

170. Este sistema, fundado na grande lei de unidade que preside à criação, corresponde, forçoso é convir, à justiça e à bondade do Criador; dá uma saída, uma finalidade, um destino aos animais, que deixam então de formar uma categoria de seres deserdados, para terem, no futuro que lhes está reservado, uma compensação a seus sofrimentos. (A Gênese Encarnação dos Espíritos - Perg. 23)
Comentários: Crer que os animais existam somente para nos servir é o mesmo que crer que Deus criaria seres para serem eternamente sofredores, que nunca evoluiriam e nunca receberiam uma compensação a estes sofrimentos. Crer que os animais não evoluam e somente existam para nos alimentar é admitir que Deus seria injusto e admitir o primitivismo de nossa espécie animal. No entanto, os animais não existem para nos servir e não foram criados como nossos objetos de uso e abuso, mas são seres que vivem e aprendem com as adversidades do mundo e se tornarão seres angelicais algum dia.

171. Por ter passado pela fieira da animalidade, com isso o homem não seria menos homem. Não seria mais animal como o fruto não é a raiz, como o sábio não é o feto informe pelo qual começou no mundo. (A Gênese - Cap. XI - Perg. 23)
Comentários: Por ter passado pela fase animal o ser humano não precisa se sentir humilhado e nem se sentir menor, pois, ao contrário, deveria se sentir mais elevado, pois passou por aquela fase e conseguiu alcançar outra mais elevada, ou seja, a fase humana.

172. Na natureza tudo se encadeia e tende à Unidade. (O Livro dos Espíritos - Perg. 607a)
Comentários: O espírito passa por todas as fases de evolução e deverá alcançar a perfeição, algum dia. Isso é inevitável, pois faz parte da lei do progresso, o qual tudo o que há no universo está sujeito.

173. O progresso é a condição normal dos seres espirituais, e a perfeição relativa o objetivo que devem alcançar. (A Gênese - Cap. XI - Perg. 9)
Comentários: A perfeição relativa, pois a perfeição absoluta somente Deus pode tê-la. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário